segunda-feira, 15 de junho de 2009

Carbonnara Minimal

Há anos que não acampava assim, de tenda, ao pé do mar.
O tempo passa e nós vamos, sem notar, ficando mais comodistas e aburguesados, cheios de posses e luxos com que não sonhámos mas que se instalam devagarinho e de repente já são indispensáveis.

Dantes eu era fervoroso das festas da minha cidade, a noite de Stº António era imperdível, as sardinhas mal assadas comidas no pão a uma porta qualquer de Alfama, com um copo de mau vinho e bebedeira certa.
Também aqui o tempo passou, mais na festa que em mim e deixou mossa: agora as sardinhas (€2.50 cada) já se vendem em bancas com licença camarária, certificado de sanidade e ficha de pescado e tudo é regulado e licenciado que tantos milhares à solta por Lisboa é negócio que não se pode perder.
Foi disto que eu fugi!

Sexta à tarde, mal pude, lá fui para essa maravilhosa costa que teima em resistir ao longo do Alentejo, equipamento minimal, sacos-cama, uma panela, duas tigelas, um fogãozito e uma tenda dessas modernas que se atiram ao ar e aterram já montadas, empréstimo da filha mais nova.
Das alegrias daquelas praias e daquele mar indomado mas bom, sabem os que o conhecem que são vivências que não se escrevem nem descrevem; o que aqui nos traz são as comidas e, porque neste ambiente de prazer também a comida o deve ser, aqui vos deixo a Carbonnara que foi jantar de Sábado, o Sol já a mergulhar no Atlântico, vermelho e mais vermelho, como é que se pode chamar "pôr do sol" a tanto restaurante?

Ingredientes:

10 ninhos de Tagliatelle all 'Uovo
150g de Toucinho Fumado
3 dentes de Alho
4 colheres de sopa de Azeite
4 Ovos
100g de Grana Padano
Pimenta Preta
Sal

Preparação:

O que me levou a chamar "minimal" a esta carbonnara não foi qualquer escassez de ingredientes, que estão lá todos, mas sim o facto de ter sido preparada com uma economia total de meios no que respeita a trem de cozinha: uma panela e uma tigela!

1º (panela) - Frite o toucinho fumado e o alho aos pedaços pequenos no azeite até ficar estaladiço. Claro que pode usar pancetta italiana se quiser ser purista e tiver "lata" para comprar toucinho a preço de lagosta, eu não. Passe para a tigela e reserve.
.


2º (panela) - Coza o Tagliatelle em água e sal. Escorra mal escorrido quando estiver al dente mas ainda para o lado "duro". Junte o toucinho frito e o azeite, envolva e deixe a acabar de cozer em lume baixo.
3º (tigela) - Enquanto a massa absorve o sabor do toucinho, bata os ovos com metade do queijo e a pimenta. (pode, se quiser, substituir até metade dos ovos por duas gemas cada ovo, rejeitando a clara. Usei Padano em vez do tradicional Parmesão porque era o que tinha em casa; o queijo da Ilha S. Jorge também dá um belo efeito).

4º (panela) - Junte o resto do queijo e pimenta, envolva, retire do lume, espere uns instantes para que pare qualquer fervura e adicione então os ovos. Envolva continuamente para não deixar cozer o ovo que deve ficar cremoso.
5ª (tigela) - Divida pelas tigelas e faça delas o seu prato.


Foi acompanhada pelo pôr do sol, pelo marulhar das ondas e por este Periquita de que ontem vos falei.

Nota: Ah! É claro que as tecnologias comportam quase sempre um certo potencial gerador de ansiedade, o Homem pequeno perante a máquina que não compreende! A tenda de montagem milagrosa, um segundo diz a propaganda do vendedor e é bem verdade, não vem equipada com a mesma presteza em matéria de desmontagem. Foi uma luta desigual em que a máquina esteve quase sempre a vencer, a Inês lá de Milão a dizer - mas pai, é tão fácil e intuitivo! - e eu sem intuir coisa nenhuma até que, num derradeiro golpe de sorte, verdadeiro John Connor e a Tenda Terminator, lá a reduzi à sua dimensão de bolacha original!

Venceu o Bem!

5 comentários:

Patanisca disse...

Adorei as dicas que deixaste no meu blog sobre o pão. Vou ver se as sigo à risca no próximo pão alentejano que fizer. Vai ser um fim-de-semana inteiro dedicado ao pão!! Beijinhos.

Electra disse...

ai! se venho ao seu blog dá-me logo vontade de mandar a dieta para os arames uns tempos, só para poder degustar tudo o que aqui sugere, ainda mais regado por um piriquita!

Anakoelho disse...

A sua narrativa me fêz sentir saboreando esse macarrão a contemplar esse maravilhoso mar...
Parabéns pelo blog,passei por acaso
e gostei.
Bom fim de semana.


Ana.

. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
. disse...

O bacon frita na sua própria gordura. Juntar azeite é estragar azeite e comer gordura desnecessária. Experimente da próxima colocar o bacon numa frigideira anti-aderente e vai vê-lo a nadar na própria gordura. Só em Portugal se frita bacon em azeite...