quarta-feira, 15 de maio de 2013

Areias de Cascais



                 As “areias de Cascais” são uns simpáticos bolinhos cuja origem na vila de Cascais se perde no tempo, havendo referências à sua existência já no fim do sec. XIX, embora a primeira receita escrita e referida como “Areias de Cascais”, date de 1933 na “A Cozinha Ideal” de mestre Manuel Ferreira.
Sendo bolinho de manteiga, as areias sofreram, como todos os outros bolos, doces e pratos que tinham a manteiga como base, a investida das gorduras hidrogenadas, as margarinas e essa alteração deixou as areias irreconhecíveis, sendo que hoje, apenas feitas em casa se podem provar em toda a sua glória amanteigada, as Areias de Cascais.  
Oriunda da nata, a manteiga bem se poderá considerar como a rainha das gorduras no que respeita a delicadeza e sabor. Claro que se lhe poderão, talvez, também apontar alguns defeitos, dos quais não será o menor o facto de ser constituída por gorduras de que se diz provocarem as terríveis doenças cardiovasculares, o “mau” colesterol; mas dias não são dias e sendo hoje dia da 132ª Trilogia em que a Ana, o Amândio e eu próprio estamos sujeitos ao tema “manteiga”, usei para estas areias, que ficaram magníficas, uma receita que está em caderno manuscrito da minha família e que, embora não o possa asseverar, poderá ser ainda anterior à receita publicada de 1933. 
Ao contrário das receitas mais divulgadas, não tem qualquer elemento de sabor ou aroma adicionado, como raspa de limão, canela ou baunilha, deixando assim livre o caminho à subtil e requintada acção sápida da manteiga.


Ingredientes:

150g de manteiga
50g de banha de porco
175g de açúcar
320g de farinha

Preparação:

Misture bem a farinha com o açúcar e deite-a em monte na pedra.
Abra um buraco na mistura e deite-lhe as gorduras fundidas ou pelo menos muito amolecidas.
Trabalhe com os dedos de modo a obter uma massa areada,
faça uma bola e deixe em repouso por uma hora.

Faça bolinhas do tamanho de uma noz pequena e disponha-as em tabuleiro untado. 
Leve-as a forno médio (160-170ºC) durante cerca de 20 minutos.
Passe as areias por açúcar enquanto estão bem quentes.
Conservam-se por muito tempo em caixa bem fechada e ao abrigo da luz.


10 comentários:

saltapocinhas disse...

vi a receita por estes dias numa revista, mas não sei se é exatamente igual.
estas estão lindas!

Paula disse...

Oh que lindas! Comia agora uma com o cafézinho...

teste disse...

Caro Luís, em relação à receita de Sericaia, no final do texto fez referência ao Livro de Receitas do Convento de Santa Clara. Fiz várias pesquisas na net mas apenas encontrei um link em que se podem observar algumas receitas do Convento, mas muito poucas (apenas umas 10), e nenhuma delas referente à Sericaia. De resto procurei no site da biblioteca de Lisboa por algo que me pudesse elucidar sobre o livro que referiu, mas infelizmente não encontrei nada. Será que me consegue dar mais alguma pista sobre este livro que me permita continuar a pesquisa ?
Obrigado
Ricardo

Luís Pontes disse...

Caro Ricardo,
O convento de Santa Clara a que se refere deverá ser o de Évora, mas aquele onde é possível situar-se uma origem para a sericaia é o de Elvas, também chamado de Nossa Senhora da Conceição.
A minha referência é Alfredo Saramago no seu livro Doçaria Conventual do Alentejo. Poderá encontrar uma súmula de boa qualidade no blog do Dr. fernando Guedes, http://fernandoguedeshosped.hospedagemdesites.ws/elogio-da-siricaia/.

Unknown disse...

É manteiga com sal ou sem sal?

Cozinha Caseira disse...

Uma sugestão deliciosa para este dia 1.... Adorei!
Bjs
http://pratocaseiro.blogspot.pt/

Alice Baião disse...

Boa noite,
Fiz esta receita e sairam bolachas.
Pode dizer-me o que terá corido mal?
Obrigada
Alice Baião

Bizlep disse...

Realmente já vi várias variantes da receita das Areias, especialmente nas proporções de açúcar e farinha para com a gordura, que estão ambas ligeiramente acima da tradicional 1:2:3 para biscoitos de manteiga. Quanto ao sabor, se se usar a banha acho que não adianta colocar raspas de limão, baunilha, etc porque a banha os 'abafa'. Só a canela no açúcar para rolar os biscoitos... eu usei porque gosto do toque da canela.
Estou feliz por ter encontrado a receita tradicional/antiga e porque gosto de usar banha, uma gordura 'abandonada' e muito saudável.
Obrigado!

Flaviany Fleita disse...

Vc deixou descnasar?

Flaviany Fleita disse...

Vc deixou descnasar?