quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Pão de toucinho (de porco preto alentejano)

                          Há expressões que mesmo ditas casualmente, têm o condão de despertar ressonâncias maléficas  e obsessões que não mais se esquecem. Quando em conversa amena com o meu amigo Amândio Cupido, ele falou em “pão com toucinho de porco preto lá dentro”, eu soube imediatamente que mais cedo ou mais tarde, provavelmente mais cedo do que mais tarde, aquela seria uma inevitabilidade absoluta.
O porco a que os espanhóis chamam Ibérico, chama-se no Alentejo “Porco Preto Alentejano”, vive à solta no montado de azinho e alimenta-se de bolota. São animais que criam uma camada adiposa notável que, só por si, já constituiu uma maravilha gastronómica ímpar, com as suas zonas suavemente rosadas e facilmente salgável.
Dietistas, nutricionistas, médicos, candidatos a anciãos e outros bem-intencionados alimentares, está na hora de suspenderem a leitura deste post, que não vos é destinado.
Daqui para a frente entramos no reino do hedonismo, um puro-gozo extravagante e inconsciente, mas que chega àquele ponto limite em que se sabe que tal absoluta delícia só pode fazer absoluto mal.
E faz!

Ingredientes:

Massa de pão de trigo
Toucinho salgado de porco preto alentejano

Preparação:

O toucinho de porco preto alentejano vende-se já salgado em grandes mantas que chegam a ter mais de quinze centímetros de espessura,
denso, branco rosado e sem carne entremeada. É salgado em toda a sua espessura e não apenas por fora como acontece com os toucinhos brancos vulgares e facilmente laminável, apresentando um sabor aparentado ao da gordura dos presuntos de muito boa qualidade e cura.
Constituídos por praticamente 100% de gordura, desfaz-se prontamente na boca transformando-se em puro e voluptuoso sabor. São estas fatias que serão o conduto deste nosso pão.
Prepare (ou compre) massa de pão vulgar (farinha 650).
Estenda-a num rectângulo muito fino, como se se tratasse de uma base para pizza das finas.
Corte fatias finas de toucinho salgado de porco preto alentejano
e cubra com elas toda a placa de massa excepto uma dobra final que servirá para fechar o rolo.
Enrole a partir do lado que tem toucinho até à borda e pincele com água a dobra sem toucinho de modo a que cole à restante massa. Enfarinhe este rolo e corte fatias
com cerca de três centímetros de largo.
Disponha-as deitadas num tabuleiro de forno, salpique de farinha
e deixe tapado por cerca de meia hora de modo a que a massa possa retomar gás.
Coza em forno muito quente durante cerca de cinco minutos, no fundo do forno e baixe para os 180ºC com o tabuleiro a meio forno e aeração durante outros dez minutos ou os pãezinhos enrolados estarem louros.

A degustação destes pães decadentes e mórbidos, que transportam consigo todo o prazer e todo o mal é uma escolha e um caminho que se percorre… ou não, como diria o velho Donatien Alphonse.



4 comentários:

João Pedro Diniz disse...

como eu compreendo(e salivo com) cada palavra...

curasalternativas disse...

Por favor onde se pode comprar esse bonito toucinho?
Muito obrigada!

Luís Pontes disse...

Nas secções de charcutaria da maioria dos supermercados, em feiras e mercados rurais, etc. Está geralmente junto ao presunto.

curasalternativas disse...

Muito obrigada!