quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Lavash

            A origem do pão lavash perde-se na noite dos tempos e deve ter ocorrido na Arménia, tendo-se depois espalhado por toda a Ásia Menor e Próximo Oriente, onde continua a ser usado diariamente e tem nomes como lavas, lavosh e matzo (Israel). É o pão ázimo que Cristo comeu e distribuiu no episódio bíblico da Última Ceia, de umas pobreza e simplicidade mais que espartanas, mas que, ao contrário do que a sua composição possa fazer supor, é uma preparação maravilhosa, quintessência do crocante e da leveza.
Placas de pão finíssimas, na verdade com menos de um milímetro de espessura, simples ou enriquecidas com o que quisermos, o lavash é algo que está à nossa disposição nas mais exclusivas lojas gourmet mas também ao alcance, quase grátis, na nossa cozinha, já que não difere em substância da nossa conhecida massa tenra.

Ingredientes:

- Lavash-base

Farinha
Gordura
Água
Sal (facultativo)

- Lavash de sésamo e papoila*

1 medida de farinha de trigo
½ medida de farinha de trigo integral
¼ de medida de azeite
1/10 de medida de óleo de sésamo
¼ medida de sementes de sésamo
¼ de medida de sementes de papoila
¼ de medida de orégãos
Sal q.b.
Água q.b. (+/- ½ medida)
Flor de sal

Preparação:

Misture os secos 
e depois as gorduras
e água q.b. (cerca de meia medida) e amasse bem até obter a consistência elástica característica de uma massa tenra.
Divida em porções mais pequenas
e estenda com o auxílio de um rolo ( e talvez um pouco de farinha salpicada) até obter uma folha realmente finíssima.
Salpique com flor de sal, corte com uma carretilha ou um cortador para  pizza, em rectângulos
e leve ao forno a 160ºC durante breves minutos, até obter uma cor levemente dourada.
Podem guardar-se por muito tempo em caixas herméticas, de modo a conservarem o maravilhoso estaladiço, embora seja virtualmente impossível fazer durar muito esta delícia, para a qual há sempre uma desculpa, simples,
como aperitivo, com um paté, uma marmelada, um tapenade, estas lavash voam e não tarda chega o momento de fazer mais!
  
* As possibilidades de variação são virtualmente infinitas. Pode introduzir no lavash-base aquilo que lhe apetecer, sementes, frutos secos, especiarias, ervas frescas, tendo apenas que ter cuidado com a granulometria do que introduzir; por exemplo, se decidir introduzir sementes de girassol inteiras na massa, o rolo passa a ter essa bitola, a dimensão das sementes, e a folha ficará muito grossa.
Se quiser fazer lavash doce, deve polvilhar de açúcar mesmo antes de ir ao forno, pois se introduzir o açúcar na massa ela perde as suas características de pão.
  

1 comentário:

castrantonio disse...

Venho só dizer-lhe uma coisa muito simplas...
Muito obrigado!

antónio castro