quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Papas de Carolo

                               Talvez por reacção involuntária à invasão, que a mim parece algo  obsessiva, de doces de colher ditos exóticos, vistosos e “internacionais”, tenho vindo a descobri-me, ao longo do passar dos anos, um gosto cada vez mais acentuado pela doçaria regional portuguesa, de tipo popular.

Típicas das Beiras interiores, Alta e Baixa, onde não havia arrozais, as papas de carolo são papas doces de milho e imitam, quer na feitura, quer no resultado final, o arroz doce que se fazia, no litoral, com o arroz dos campos do  Baixo Mondego.
Carolo, por vezes também chamado sêmola de milho, embora impropriamente,  é milho triturado finamente, mais grosseiro que a farinha de milho e encontra-se à venda* em diversas granulometrias. Na foto ilustra-se, além da farinha, carolos grosso e médio, havendo um outro, fino, que fica entre os grãos da farinha e do carolo médio.
É com estes carolos ( e não tanto com a farinha, mais usada no pão) que se fazem a maioria das polentas,  o milho frito açoriano, o xerém  algarvio e foi com o mais grosso que fiz estas papas, para satisfazer o tema “doces de colher” desta 57ª Trilogia com a Ana e o Cupido, num dia em que, maravilhas do Blogger, até estou de viagem por terras de Sua Magestade britânica.

Ingredientes (para 6-8 pessoas):

150g de carolo de milho
1l de água
casca de 1 limão
750ml de leite
150-200g de açúcar
1 pitada de sal

Preparação:

Leve ao lume a água com o carolo e a pitada de sal. Não se preocupe com a desproporção aparente entre a água e o carolo; é mesmo assim.
Logo  que ferver, reduza o lume para o mínimo e deixe cozinhar por cerca de 40m, mexendo amiúde para não deixar pegar, ou até ver que o carolo já está espesso e as bolhas rebentam, pesadamente, à superfície.
Junte então o leite e a casca de limão, 
baixe o lume assim que retomar fervura e deixe cozer mais cerca de 20m, agora mexendo muitas vezes pois tem muita tendência para pegar, ao fim dos quais as papas estão de novo grossas e o carolo está cozido.
Retire a casca de limão e junte o açúcar, 
leve de novo ao lume, agora por breves minutos, e vaze para a travessa de servir.
Depois de frio, ou pelo menos morno, decore com canela em pó.

Nota: * Os carolos mais grossos são por vezes difíceis de encontrar à venda, mas pode adquiri-los com toda a facilidade nas lojas que vendem produtos para a cozinha africana.

4 comentários:

Moira disse...

Gosto tanto de papas de carolo que têm para mim um cheirinho a infância, já que toda a minha família é da Beira Litoral :)
Obrigada pela receita.
Manuela

anna disse...

Fizemos uma trilogia doce própria para gulosos e cheia de tradições...
As nossas cozinhas ficaram todas com cheirinho de natal...
Beijinhos.

Paula disse...

Eu, beirã que sou, garanto que essas papas de carolo estão perfeitas! Tal qual as faz a minha mãe e as fazia a minha avó, a minha bisavó...

JH disse...

Antes de mais, parabéns pelo excelente blog. Comecei hoje a comer as azeitonas que curti de acordo com as suas intruções. Estão óptimas.