segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Migas de Porco


.....Hoje estou a chamar-lhes “migas”, à maneira alentejana, embora para mim, que não sou alentejano, claro que “migas” são açordas, as “açordas” alentejanas são sopas, etc.; isso agora não interessa, os grandes pratos têm nome próprio e bem diferente dessa moda recente, hino à falta de imaginação, de “dar” a receita bem explicada logo no título de metro e meio, com uns nomes pretensiosos pelo meio – o nome deste prato é Migas!

As migas de porco tradicional é um dos pratos mais saborosos da culinária do Sul mas, infelizmente, é também difícil encontrar um prato mais desastroso do ponto de vista da saúde, todo ele a ressumar banha, sal e toucinho, numa sinfonia indigesta de calorias e colesterol aterradora.

A receita é bem conhecida e claro que não iria ocupar espaço a publicar a "576ª" se não tivesse algo que a tornasse bem mais aceitável do ponto de vista alimentar.

Ingredientes:

Entremeada ou entrecosto magros
Azeite
Massa de pimentão, Colorau, Alhos, Pimenta e Louro
Vinho branco
Vinagre de vinho
Pão alentejano duro
Coentros

Preparação:

Parta a carne em pedaços e tempere-a com todos os temperos e um golpe de vinagre. Não ponha sal porque a massa de pimentão é muito salgada. Deixe ficar para o dia seguinte, no frio.
Frite a carne temperada, em azeite, regando de quando em vez com vinho branco, para que não queime. Quando a carne estiver bem frita, escorra o molho e utilize-o para fazer uma açorda (migas) firme com o pão alentejano demolhado.
Unte uma pedra com azeite, vaze a açorda (migas) e dê-lhe a forma de um chouriço grosso, rodando-o sobre a pedra untada para ficar bem liso. Disponha na travessa de servir, com os pedaços de carne em volta e salpique com coentros grosseiramente picados.

Nota: O prato tradicional é totalmente feito com banha em vez de azeite e a carne é propositadamente muito gorda, incluindo mesmo os apreciados nacos de toucinho frito.

7 comentários:

Fátima disse...

Como alentejana prezo sem duvida os sabores do meu "Alentejo", e fico contente na sua divulgação.
Para mim ninguem me tira uma bela açorda ou umas migas com entrecosto.
Parabens pelo seu blog.
Beijinho grande

Paula disse...

Muito bom! Não ficam a dever nada à receita tradicional.

purpurina disse...

isto não é comentário ao post, mas fica aqui por ser a maneira mais fácil.

sardinha sustentável: http://ecosfera.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1406311

:)

LPontes disse...

Purpurina,

A pesca de cerco é realmente uma bênção no meio das artes de pesca mais predatórias e também mais usadas.
A sardinha (e o carapau)estão entre as espécies cuja pesca é mais sustentável, se se respeitarem os tamanhos legais de apanha o que, infelizmente, raramente se faz, vidé as quantidades de petinga e "jaquinzinhos" que por aí há.

Eu próprio os consumi, e muito, por pura ignorância.

Veja aqui o cartão SOS Oceanos:
http://outrascomidas.blogspot.com/2009/09/sos-oceano-verso.html

anamarafada disse...

Que mundo chato seria se tudo fosse saudável e sensaborão. Não é?

Migas é um dos meus pratos favoritos.
Em Mértola, no "Migas" são uma delicia. Tostadinhas por fora e molinhas por dentro... Mhamhamnha
;)

Maria Lúcia disse...

Oi
Eu gosto muito da carne
de porco.
Esse prato está muito bonito.
Venho aqui ver o que fazer,
para o almoço.
Os pratos diferentes,
copio daqui são muito
gostosos.
Eu não sou uma grande
cozinheira,mais com as
suas receitas eu faço
cada comida uma mais gostosa
que à outra.
Beijos...
Lúcia.
www.blogdalucia.com

Ana J. disse...

faz tão mal... mas sabe tão bem!!! O colesterol que nos perdoe este pequenos pecados.