quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Brochettes de Kefta com Couscous

                Espetadas não são, definitivamente, o meu “cup of tea”!
Normalmente programadas para adquirirem sabores fortes e, para mim, talvez um pouco primários pelo adicionar alternado do seu elemento fundamental com outros sabores demasiado dominantes, como a cebola, o pimento ou enchidos, contam-se pelos dedos (de uma só mão!) as vezes em que aconteceu comigo uma espetada ter-se revelado algo memorável ou sequer aprazível. 
Lembro com deleite a melhor espetada que já comi, só carne em pau de loureiro, sem enfeites adicionados, algures no interior da ilha de Porto Santo, num restaurante de nome Teodorico, um jantar que ocorreu há bem mais de vinte anos, que nunca esquecerei e uma espetada que soube pela vida e que jamais conseguirei igualar.
Depois vem aquela infindável paleta de sabores que se pretendem exóticos e que vão acolitando as lulas, os camarões, os pedacinhos de picanha e de toucinho, ele é o ananás, ele é a manga, mais o molho barbecue americano e o outro que é "secreto" do grelhador amador de espetadas “tropicais” e nós a recebermos no prato os três pedacinhos de carne ou de lula (ou mistas!!!) com os acompanhamentos que o compositor da espetada decidiu por nós, tudo grelhado exactamente ao mesmo tempo, viva o estilo fast-food!
Mas o tema para esta 61ª Trilogia e 1ª de 2012 (e se o mundo acabar a última 1ª Trilogia de qualquer ano!) era mesmo “espetadas” e, não querendo deixar mal a Ana e o Cupido, lá me lembrei finalmente de algo que sendo espetado não era bem espetada mas ainda assim o suficiente para caber no tema: as deliciosas brochettes kefta, de borrego, que fazem entrada, refeição ou simplesmente petisco que se vai trincando com um chá de menta nos dias longos dos souks marroquinos.

Ingredientes:

250g de carne de borrego, picada
½ Cebola
2 dentes de alho
Sal
1 colher de sopa de azeite
1 colher de sopa rasa de cada: gengibre fresco ralado e salsa picada
1 colher de café, cheia, de cada: cominhos em pó, pimenta preta moída, pimentão doce, pimentão picante, coentro em pó.
1 chávena de couscous
1 colher de sopa de óleo
1 chávena de caldo de legumes
1 colher de sopa de cúrcuma (açafrão das Índias)

Preparação:

Pique (ou mande picar) a carne.
Junte-lhe os cominhos, azeite, sal, pimenta, pimentões doce e picante, coentro em pó, gengibre e salsa, alho e cebola bem picados e misture bem.
Forme pequenas “almôndegas” alongadas, à volta de um espeto para espetadas (usei cortados ao meio)
 e leve a grelhar rapidamente em chapa ou carvão, desde que com calor bem intenso.
Sirva com couscous
preparado com um caldo de legumes, a gosto, onde deitou o óleo e a cúrcuma e deixou ferver por um minuto antes de regar os couscous e deixá-los tapados por cerca de 10 minutos. 

3 comentários:

anna disse...

Para quem não gosta de espetadas safaste muito bem...
Beijinhos.

G.A. disse...

Cumprimentos pelo(s) seu(s) blogue(s)

Gostaria de perguntar-lhe, onde posso encontrar uma receita para uns saborosos couscous? Se possível, com os vários procedimentos e tempos necessários.

Até hoje ainda não fiquei totalmente satisfeito com os meus.

Obrigado

LPontes disse...

Caro G.A.,
Existem muitas receitas disponíveis, embora os magníficos couscous que se comem no Magreb sejam impossíveis de obter sem uma "cuscuzeira" que é uma panela de fundo furado que encaixa sobre outra onde ferve um caldo de legumes. Os couscous são postos na de cima e cozem em vapor, ficando soltos bago a bago!
Na falta do utensílio, faça o escaldar que normalmente se indica mas roubando na água (em vez de 1:1, uns 1:0,75 de água). Boa sorte.