quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

RABANIM (RR - Rabanadas da Restauração)

........... Se a Ana não tivesse indicado "rabanadas" como tema para esta Quarta-Feira trilógica (entre este Outras Comidas, Cozinha com a Anna e o Garficopo), nunca me teria apercebido da imensidade de variações que existem para este doce natalício que, para mim, tinha a forma estática que aprendi na minha casa de infância e que reproduzi fielmente ao longo da vida.
Só na CTP há quatro versões, entre Fatias de Parida e Rabanadas, no conjunto dos meus livros de cozinha há pelo menos treze versões (algumas com vinho!) e na Net, muitas...
Terreno maravilhoso para, livre de respeitos canónicos, me entregar ao supremo prazer da criação, em que estas trilogias têm sido tão pródigas.
Crie-se então o Rolls Royce das rabanadas, o Rabanim, pois terá de rabanada e de pudim e será a partir de agora a versão "1º de Dezembro" de rabanada, a Rabanada da Restauração!
.
Ingredientes:
.
1 Pão de forma
1 lata de leite condensado
1 lata de ovos
2 latas de leite
Zeste de limão ou de laranja, ou baunilha, ou canela, ou...
+2ovos e 1/2 copo de leite
1 copo de açúcar
.
Preparação:
.
Leve o copo de açúcar ao lume com um pouco de água, numa forma de bolo inglês e deixe atingir ponto de rebuçado mas sem tomar cor. Enquanto está bem quente, espalhe este rebuçado por todo o interior da forma, fundo e lados.
Corte fatias de pão de forma suficientes para forrar toda a forma e retire a côdea ao restante pão.
Passe um dos lados de cada fatia por ovo batido com leite e frite este lado em óleo quente até estar dourado.
.
Forre a forma com estas fatias fritas de um só lado, virando o lado frito para as paredes e fundo da forma.
.
Encha a cavidade que ficou no meio com o miolo de pão, até cerca de 1 cm abaixo da borda.
.
Bata o leite condensado com os ovos e o leite e vá derramando de forma a permitir que todo o miolo vá absorvendo e fique perfeitamente saturado de leite. Acabe de encher até ao bordo.
Leve a forno médio (150ºC), em banho maria quente, durante cerca de uma hora ou até verificar que está cozido.
Deixe arrefecer por completo antes de desenformar, melhor mesmo que seja no dia seguinte, após uma noite de frigorífico.
.
Polvilhe com canela e delicie-se com a sua Rabanim.
.

7 comentários:

nacozinhadasonia disse...

Que bom aspecto, deve ficar óptimo...bjinhos

Doce Final Feliz disse...

fiquei espantada com esta variante de rabanadas.. ficou com um aspecto maravilhoso..

bjus

anna disse...

Hoje madrugaste! Giro ver como pegaste nas rabanadas (palavra e ditas cujas)e te lançaste no reino da criatividade.
Gostei da forma como os 3 tratámos esta tradição natalícia.
Beijinhos.

cupido disse...

Gostei muito da forma como desconstruiste as rabanadas. Isto só vem provar que esta coisa da trilogia tem pernas para andar e que a cada semana, iremos tentar dar o melhor apuro na cozinha :)

Bichinha disse...

Os meus olhos pasmam-se perante esta forma de servir rabanadas. Mas que grande imaginação... estou sempre a aprender

moranguita disse...

bem que maravilha:-)

Ligia Nogueira disse...

NOssa ,numa pesquisa pela net sobre cozinha portuguesa(para agradar meu amor) me deparei com seu blog.Simplismente maravilhoso.Essa rabanada ,entao!divina
Parabéns
Ah1somos colegas de profissao,sou farmaceutica acupunturista...mas no Brasil
sucesso
att
Ligia.alvares@gmail.com
l