quarta-feira, 22 de julho de 2020

Caracóis “subidos”


            Quando há já dez anos aqui reeditei um outro post mais antigo, ainda do tempo do Comidas Caseiras, sobre a preparação de caracóis, estava longe de imaginar que se iria tornar no segundo mais visitado* do Outras Comidas e de longe o mais citado, utilizado e plagiado** por outras publicações desta área, quer no espaço virtual, quer em papel.

Nessa já longínqua publicação, fazia, pela primeira vez entre nós, uma súmula/revisão de todos os aspectos relevantes relacionados com os caracóis, desde a aquisição ao prato, passando até por aspectos geralmente ignorados da sua biologia.
Na verdade, apenas um assunto, até hoje tabu, ensombrava este petisco e se para muitos, menos exigentes, nem se notava, já para outros como eu, havia sempre uma mancha a pairar num prato de caracóis: Os mortos não detectados, os doentes, os moribundos, os parasitados, os putrefactos! Todos aqueles caracóis que acabavam fervidos e cozidos no meio dos outros, as cascas vazias e os corpos ressequidos e escuros que, apesar de os rejeitarmos no prato, deixavam  um rasto de podridão no caldo da confecção. Quem quer sorver com delícia ou até molhar um pedaço de pão no caldo onde se cozinharam animais podres? Basta que apareça uma casca vazia!

Normalmente, os problemas insolúveis têm soluções “ovo de Colombo” e este não é excepção. Demorou dez anos a resolver, e na verdade apareceu resolvido sob a forma de uma travessa de caracóis em que não havia UM SÓ defeituoso, um só “morto”, uma só casca vazia, isto num simples e improvável café de beira de estrada em Alcácer do Sal***, a Tasca do Chico Zé!

Perguntado o próprio Chico Zé, que não é pessoa de “caixinhas” ou segredos, a resposta veio, cristalina: - Não há mortos porque são caracóis subidos…se subiram era porque estavam vivos, não é? Se estiverem mortos, não são capazes de subir!

É então assim…

Preparação:

Na véspera do petisco, à noite, pegue no saco de rede
em que normalmente se adquirem os caracóis e, sem mais observações ou escolhas, mergulhe o saco durante uns segundos em água,
escorra e ponha-os num recipiente baixo,
cobrindo este com algo que os impeça de fugir. Queremos que eles fujam do recipiente, não queremos que se espalhem pela sua casa ou jardim. Eu usei um balde velho, invertido sobre o prato largo que continha os caracóis.
Deixe para o dia seguinte.

Na manhã seguinte, levante a cobertura e verá que os caracóis que estavam vivos, fugiram do prato e estão agora “subidos” e agarrados às paredes e fundo da cobertura.
No prato, ficaram os que não conseguiram fugir: mortos, doentes e estropiados!

O seguimento, quanto a lavagem e confecção é como se disse aqui. 

                    *O primeiro é sobre curtimenta de azeitonas.
                 ** Os plágios,     cópias ou outras utilizações não autorizadas das publicações no Outras Comidas, longe de me incomodarem, são até um estímulo: que melhor reconhecimento da qualidade do meu trabalho, que ver alguém a apresentá-lo como seu?
                    *** Tasca do Chico Zé, Rua do Poço, 20. Alcácer do Sal.
 

4 comentários:

Bjz disse...

Muito bom.

Belo truque.

Sempre a aprender!

A minha próxima caracolada irá utilizar esta ferramenta para aprimorar o resultado final... que graças às dicas por aqui aprendidas já não é nada mau.

Um muuuito obrigado ao Luís Pontes.

Por tudo. Por tudo mesmo.


Fatima Coutinho disse...

boa noite sr.luis
o motivo que lhe estou a escrever nao tem nadfa a ver com os caracois, mas sim com outro topico .... as lapas .
outro dia ,eu escrevi lhe por causa de umas belissimas lapas que eu apanhei aqui na zona do porto ,mais precisamente em matosinhos.
acontece que apesar de gostar do sabor das lapas ,na horas de as comer sao sempre uma desilusao ,por causa da areia,deixo as de molho em agua e sal duras
nte 24h com a casca virada para cima para a areia cair na taca ,mas mesmo assim tem sempre um pouco de areia mesmo estando semore a mudar a agua e de as limpar muito bem.
conhece alguma maneira de as limpar melhor?
Obrigado

Beh Müller disse...

Salve, Luis! Bem vindo de volta! Estava sentindo sua falta por aqui! Beth (Rio de Janeiro)

antonio disse...

Obrigado Luis
Estando eu a meia hora de Alcácer, vou lá provar essa maravilha...
São sempre boas as suas dicas.
Bem haja
antónio