segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Aletria Doce

................. Outrora frequente, principalmente no Norte de onde é originária, a Aletria Doce é hoje uma sobremesa em vias de extinção.
Apesar dos esforços que aqui e ali se vão fazendo, a verdade é que estas velhas sobremesas de colher, das famílias, vão dando, inexoravelmente, lugar a uma multidão de coloridos espécimes semi-frios, semi-gelados, semi-gelificados, semi-tremeliques e depois só semi-individuais, que de olhos fechados são tão, tão parecidos... é que se antes a fábrica tentava imitar o que se fazia de bom nas casas, agora é a casa que, envergonhada, imita o industrial!
Apesar destes tristes sinais dos tempos, por aqui vou repetindo a boa e velha Aletria das minhas delícias de antanho, com a consciência perfeita que esta será a última geração que provará uma Aletria Doce.
.
Ingredientes:
.
250g de Aletria fina
250g de Açúcar
1 litro de Leite
2 a 6 gemas de Ovo (conforme goste menos ou mais cremosa)
1 pitada de Sal
Canela em pó
.
Preparação:
.
Ponha o leite ao lume e, quando ferver, parta as meadas de Aletria para dentro, mexendo para que os fios se não peguem.
Adicione a casca de um limão, a pitada de Sal e deixe cozer a massa 6 -8 minutos.
Adicione o açúcar, mexa, deixe ferver em lume brando mais uns poucos minutos (depois do açúcar a massa já não coze mais), retire do lume e adicione as gemas, já desfeitas e misturadas à parte com um pouco da massa, para que não se transformem em fiapos cozidos. Se achar que está muito líquido, pode levar de novo ao lume, mexendo sempre, para engrossar as gemas.
Deve ter em conta, no entanto, que a Aletria Doce engrossa muito ao esfriar.
.
Retire a casca de limão, vaze numa travessa baixa ou em taças ou pires, deixe amornar e polvilhe com Canela em pó.

7 comentários:

ameixa seca disse...

Aqui em casa - no Norte Minhoto - a tradição ainda é o que era :) Aletria faz-se assim e corta-se à faca, bem rija!

kombi disse...

adoro aletria, assim bem rija, uma delicia (¨,)

Sofia Arcângelo disse...

Não sei se estará assim tão em extinção. Na terra dos meus pais, não há festa sem aletria, e se for num casamento ou se for Natal, então a aletria é a rainha da mesa.
Cá em casa faz-se muita aletria.
Eu gosto dela bem cremosa.

Profmaria disse...

É vergonhoso dizer isto, mas só comi aletria pela primeira vez há dois anos e foi porque uma colega do Norte fez para sobremesa aqui num jantar. Para compensar, a partir daí fi-la sem parar. A outra metade da laranja diz que quando descubro uma coisa e gosto dela é até enjoar. :)
Vou fazer da maneira que recomenda. Faço sempre a olho e acho que costumo meter menos açúcar e mais leite... A sua tem melhor aspecto, parece mais cremosa!

Marygo disse...

Gosto mais da aletria feita em água do que em leite. Mas é uma sobremsa que, no Inverno, faço com alguma frequência

Silvia disse...

Minha avó era mineira mas morava me São Paulo, Brasil e havia aletria, que minha mãe também fazia, mas a receita era apenas açúcar, leite e canela. A variação era usar chocolate em pó junto com o leite.

Tentei ensinar a algumas mães mas como diz, "nem chega aos pés dos industrializados", não se interessaram.

Gostaria de saber de outras receitas de doce de infâcia. Se alguem quiser saber o que comiamos:
- goiabada com queijo
- doce de leite que minha mãe preparava do leite da vaca num tacho grande
- doce de pessego colhido no pomar
- doce de goiaba colhida no pomar
- doce de casca de laranja
- bananada
- docinho de banana-um quadradinho que era vendido ojuaha algo assim
marmelada
- doce de leite enrolado na palha
- mingau de milho verde
- bolo simples feito em casa com casquinha de limão na massa
- bolo da vovoJoana de chocolate com calda quente, nas férias, todo dia saindo do forno às cinco, ainda morno
- pudim de pão

nos grandes almoços:
- ovos nevados
- quindim
- manjar branco com ameixa
- ambrosia da vovó Joana
- ambrosia da vovó Alcina
- doce de ovos

E os do lanche da tarde
- aletria, pudim , creme de maizena (ovos e baunilha ou canela) pé de moleque, cocada, suspiro.

O melhor era nosso paladar mais puro e a alegria simples que tinamos! Tenho 52 anos.

Silvia disse...

Acrescento: arroz doce e o brigadeiro da vovó Laurilia (perfeito)e maria mole.