quarta-feira, 18 de março de 2009

Morcela da Guarda Como Eu Gosto

As Morcelas da Guarda são um enchido que tem claramente duas épocas: uma que começa em fins de Outubro e acaba sensivelmente antes do fim de Março, em que são excelentes, e outra nos restantes meses, "época" recente ditada pelos imperativos do marketing beirão, em que se tornam numas chouriças empapadas e salgadas que mais vale esquecer.
Estas que aqui vos deixo foram as últimas deste Inverno antes da época que para mim é de defeso e foram feitas da maneira que mais me agrada, embora o estômago já vá pedindo umas ajudas para lides destas.

Ingredientes:

1 morcela da Guarda
250g de carne de porco da perna
Sal, pimenta, alho, louro
Azeite
Vinho branco
Grelos e batatas

Preparação:

Tempere a carne com os temperos indicados, regue com um fio de azeite, envolva e deixe por umas horas a marinar.
Frite a carne em lume esperto durante 1 ou 2 minutos, depois junte um pouco de vinho branco e deixe fervinhar em lume baixo cerca de 20 minutos, para ficar tenra. Reserve.
Coza batatas e grelos, reserve estes e parta as batatas cozidas em metades.
Disponha a morcela numa assadeira, componha com as metades de batata e a carne de porco frita, regue tudo com o molho da carne e leve a forno quente por 20 minutos.
Sirva com os grelos cozidos, temperados com a gordura que se gerou no assado.
Como auxiliar da digestão sempre laboriosa destes enchidos de sangue, utilizou-se este Esteva 2007, um vinho que tem mantido ao longo dos anos uma elegância e, principalmente, um ecletismo quanto aos pratos que acompanha, verdadeiramente notáveis. Ao contrário do que é usual, neste "Ferreirinha" (se encontrar o 2003, agarre-o logo sem hesitar), difícil, difícil é encontrar um prato de carne ou peixe com o qual se possa dizer "Não fica bem".

Nota:
A razão porque deve pré-cozinhar as batatas e a carne prende-se com os tempos de forno de cada elemento. Querendo fazer tudo no forno, que é a receita tradicional, deve pôr as batatas cruas a assar com azeite durante 1 hora a 180ºC, depois juntar a carne de porco crua durante mais 30 minutos à mesma temperatura e, por fim, a morcela por mais 20minutos a 200ºC.

Neste caso, o resultado não compensa esforço e tempo, mas fica a nota.

6 comentários:

cupido disse...

Deliciosa e tentadora variação sobre o entrecosto com morcela. Sem dúvida, a experimentar (já este fim de semana se as temperaturas baixarem).

Já agora, em relação ao esteva, foi o 2005 ou o 2007?

LPontes disse...

Bem visto!

Foi o 2007 da foto. Lapso corrigido.

anna disse...

Que bem que isto me parece... bem e BOM, claro!
Pensava que as morcelas eram sempre iguais, mas diz o povo que «a pensar morreu um burro...», lol!
Beijinhos.

Chef Janvier disse...

Comi pela primeira vez morcela da Guarda há uns anos, numa aldeia na Serra da Estrela, no mês de Dezembro. Nessa altura voltei a lembrar-me que por Lisboa os restaurantes onde se pode almoçar diariamente parecem repetir as mesmas 15 ou 20 receitas, sem incluir estas preciosidades regionais.

Sobra a consolação de quando se viaja pelo País podermos provar sabores tão diferentes.

Cal Moreira disse...

Interessante, gostaria de experimentar! Adoraria receber uma visita sua no meu blog Maça do Amor (blig.ig.com.br/primeiramordida). Apareça e depois me diga o que achou.
Um abraço
Cal Moreira

gasparzinha disse...

Eu sou o tipo de pessoa que sõ não come morcela dia sim, dia não, porque ainda me resta um pouco d ebom senso...
Que tentação!
:)